broken-jazz-society_gasstation_capa

Devo confessar que, ao ver pela primeira vez o nome Broken Jazz Society, logo me veio a cabeça o provável parente distante da banda, o Black Label Society. Mas o fato é que as bandas têm pouco em comum além do “sobrenome”, mesmo que a parte inicial da faixa de abertura “Gas Station” possua alguns toques de Stoner/Sludge Metal.

Mas esse inicio em “Gas Station” não condiz com o restante da música em questão, já que a mesma envereda por outros caminhos também, com uma sonoridade mais crua, mais orgânica e até mesmo o seu ritmo contagiante no refrão faz com que a mesma possua alguns traços de Rock n’ Roll quase esbarrando no Punk Rock.

“Riot Spring” é uma regravação, visto que a música já constava em seu primeiro disco, “Tales From Purple Land”, e não se mostra deslocada com relação as outras músicas que compõem o EP, mostrando que a banda soube moldar sua sonoridade, não descaracterizando seu estilo, e mesmo assim seguindo um novo caminho. “Riot Spring” traz bons solos de guitarra e acabou por virar um belo vídeo clipe (o mesmo aparece ao final da resenha).

O EP encerra com “Mean Machine”, uma faixa um pouco mais cadenciada, com guitarras mais melódicas e violões, praticamente uma balada mais pesada e suja, o que combina com as duas faixas anteriores e fecha com chave de ouro “Gas Station”.

A produção de “Gas Station” soube buscar a sonoridade pretendida pela banda, uma sonoridade mais analógica, orgânica, sem arroubos. Simplesmente a banda tocando a sua música. E a capa do disco também merece elogios, casando muito bem com a proposta lírica da banda.

Não são três músicas que vão nos garantir que o futuro do Broken Jazz Society será de glórias ou frustrações, mas o caminho a seguir por eles está traçado, e somente eles poderão saber como pavimentá-lo…

 

Nota: 7,5

 

Formação:

Mateus Graffunder – Guitarra/Vocal

João Fernandes – Baixo

Felipe Araújo – Bateria

 

3 Faixas – 11:54

 

Tracklist:

1.Gas Station
2.Riot Spring
3.Mean Machine