press_cover

O Pain of Salvation surgiu como uma das melhores bandas dos anos 90, emplacando discos de grande sucesso e criatividade ímpar. Mesmo tendo uma sonoridade que normalmente é de difícil absorção em uma primeira audição, o Progressive Metal/Rock da banda Sueca não soava pedante em momento algum, mais preocupados com a música do que com malabarismos musicais.

Mas a verdade é que, em algum momento o grupo perdeu um pouco o rumo, lançando dois discos apenas razoáveis (Road Salt One e Two), além  do acústico “Falling Home”. Pouco para uma banda que lançou algumas obras-primas entre o final da década de 90 e o principio dos anos 2000.

E a obra-prima suprema da banda atende pelo nome de “Remedy Lane”. E é justamente esse disco que está sendo relançado pela banda agora em 2016. Nessa nova “versão”, temos o álbum remixado, e no segundo CD, um show da banda apresentando o disco ao vivo em uma apresentação especial no ProgPower USA Festival em 2014.

Um detalhe que chama a atenção de imediato é que a formação desta apresentação, com obvia exceção de Daniel Gildenlöw, é completamente diferente da versão que gravou o disco. Essa talvez seja um dos principais motivos pelo qual o Pain of Salvation não tenha alcançado o patamar que todos esperavam e imaginavam que chegaria devido a qualidade de sua música.

Se alguém não conhece “Remedy Lane”, não deixem de conferir duas músicas que valem pelo disco inteiro: “A Trace of Blood” e “Beyond the Pale”, que englobam toda a magia da música do Pain Of Salvation. Mas claro que “Remedy Lane” é uma obra para ser ouvida em sua totalidade, sendo também um dos melhores trabalhos líricos da banda.

Já o show peca por um motivo que acontece a todas as bandas que resolvem tocar na integra seus discos: A gente sabe exatamente o que irá ouvir a seguir. Mas isso não impede de admirar o bom trabalho desta nova formação, com destaque para, além das já citadas músicas, mas também para “Fandango” e “Undertow”.

Tenho a esperança de ver novamente o Pain of Salvation brilhando da mesma forma que o fez em “Remedy Lane”. O mundo da música precisa de novas bandas que continuem o caminho já trilhado pelas bandas clássicas, e Daniel Gildenlow já mostrou ter essa capacidade criativa para manter e até mesmo superar esse legado.

Nota:9,0

Formação:

Pain of Salvation 2001 (Album Original):

 

Daniel Gildenlöw – vocais, guitarras, backing

vocals, percussão, teclados adicionais

Johan Hallgren – guitarras

Fredrik Hermansson – teclados

Kristoffer Gildenlöw – baixo

Johan Langell – bateria

 

Pain of Salvation 2014 (Live album):

 

Daniel Gildenlöw – vocais, guitarras

Ragnar Zolberg – guitarras, vocais

Daniel “D2” Karlsson – teclados

Gustaf Hielm – baixo, vocais

Léo Margarit – bateria, vocais

CD 1: 13 Faixas –  68:17

CD 2 – 13 Faixas – 74:29

Tracklist:

CD 1:

  1. Of Two Beginnings (Remix) (02:24)
  2. Ending Theme (Remix) (04:59)
  3. Fandango (Remix) (05:51)
  4. A Trace Of Blood (Remix) (08:17)
  5. This Heart Of Mine (I Pledge) (Remix) (04:00)
  6. Undertow (Remix) (04:47)
  7. Rope Ends (Remix) (07:02)
  8. Chain Sling (Remix) (03:58)
  9. Dryad Of The Woods (Remix) (04:55)
  10. Remedy Lane (Remix) (02:16)
  11. Waking Every God (Remix) (05:19)
  12. Second Love (Remix) (04:21)
  13. Beyond The Pale (Remix) (10:01)

CD 2:

  1. Remedy Lane (Live) (02:16)
  2. Of Two Beginnings (Live) (02:36)
  3. Ending Theme (Live) (05:33)
  4. Fandango (Live) (06:18)
  5. A Trace Of Blood (08:39)
  6. This Heart Of Mine (I Pledge) (Live) (04:27)
  7. Undertow (Live) (04:46)
  8. Rope Ends (Live) (07:12)
  9. Chain Sling (Live) (04:36)
  10. Dryad Of The Woods (Live) (06:54)
  11. Waking Every God (Live) (05:40)
  12. Second Love (Live) (04:52)
  13. Beyond The Pale (Live) (10:31)

press_photo_01