Lacuna_Coil_-_Delirium_-_Cover_-_2016

A primeira impressão que tive ao escutar os primeiros momentos deste disco foi que haviam enviado o álbum trocado para mim, pois isso não era Lacuna Coil que estava tocando. Foi somente após entrar a voz da Cristina que tive a certeza que realmente era o novo disco do grupo italiano.

A explicação disso é que a faixa em questão, “The House of Shame”, possui uma agressividade atípica a banda, inclusive com vocais mais guturais do vocalista Andrea Ferro. Ninguém precisa se assustar, que o Lacuna Coil não decidiu de repente se tornar uma banda de Death Metal, até por que a tradicional veia mais alternativa e melódica da banda aparece com frequência durante “Delirium”, mas sem dúvida a banda resolveu lançar um dos seus álbuns mais pesados neste ano.

E a sonoridade casou perfeitamente com a proposta lírico-temática do disco, onde a loucura (ou delírio) prevalece. Tudo capitaneado pelo agora faz (quase) tudo Marco “Maki” Coti-Zelati, atualmente guitarrista, baixista e tecladista da banda. Claro que a frente da banda continua a bela Cristina Scabbia, mas neste novo álbum Andrea Ferro ganhou uma importância e participação muito maior que em álbuns anteriores.

Juntamente com a pesada e já citada faixa de abertura, temos aqui como destaques a igualmente pesada “Broken Things” e um bom trabalho de Andrea, “Downfall” tem um lado comercial muito forte, e possui a participação de Miles Kennedy na guitarra (normalmente mais conhecido como o vocalista da banda do Slash). “Take me Home” tem tudo haver com a proposta do disco, onde a loucura fala mais alto. “Ghost in the Mist” se tornou a minha preferida aqui, uma música com ritmo contagiante, excelentes vocais de Cristina e melodias muito bem encaixadas, sem deixar de lado o lado mais pesado encontrado em momentos anteriores. Outras faixas investem naquele estilo mais tradicional do Lacuna Coil, como “You Love Me ‘Cause I Hate You”, “My Demons” e “Claustrophobia”, estas duas últimas  contando com breves, porém bacanas solos de guitarra. E “Ultima Ratio” é o encerramento perfeito para um disco que passeia pelas nuances da psique (loucura) humana.

Algumas faixas acabam cansando um pouco, como a própria faixa-título, que exagera um pouco na repetição, enquanto que “Blood, Tears, Dust” é pesada, possui alguns momentos bacanas, mas exagera em alguns efeitos sonoros que aproximam a mesma muito do New Metal.

 

Sendo “Delirium” um disco mais variado do que normalmente encontramos no Lacuna Coil, o saldo final é positivo. Assim como é positivo constatar que o agora quarteto italiano está em um momento criativo (e ativo) acima da média, lançando álbuns de dois em dois anos sem que os mesmos soem descartáveis. Vale a pena uma conferida, mesmo que você não venha a ser um grande fã do Lacuna Coil.

 

Nota: 8,5

Formação:

 Cristina Scabbia – vocais

Andrea Ferro – vocais

Marco “Maki” Coti-Zelati – guitarras, baixo e teclados

Ryan Blake Folden – Bateria

 

11 Faixas – 44:52

Tracklist:

1. The House Of Shame (5:17)

2. Broken Things (3:59)

3. Delirium (3:16)

4. Blood, Tears, Dust (3:55)

5. Downfall (4:21)

6. Take Me Home (3:45)

7. You Love Me ‘Cause I Hate You (3:49)

8. Ghost In The Mist (4:14)

9. My Demons (3:56)

10. Claustrophobia (4:08)

11. Ultima Ratio (4:08)

(1)