319497_294414977238076_1324430656_n

Esse não é exatamente um lançamento, longe disto, pois “I Only Smile Behind the Mask” foi lançado em 2011. Mas somente agora resolvi resenhá-lo, de tal forma que a velha expressão “antes tarde do que nunca” demonstra ser perfeita para esta ocasião.

E estes cinco anos passados confirmam uma opinião: Este foi um dos grandes trabalhos nacionais da primeira metade desta década, um disco que vai muito além de um estilo musical. Talvez, para situar melhor o leitor, seria algo próximo ao que o Death fez em vários de seus trabalhos. Ou seja, em resumo, é algo especial, que nem todas as bandas são capazes ou tem a coragem de realizar.

E todas as sete faixas que compõem o álbum são dignas de nota, nada soa descartável, ou o popular “Encher lingüiça”. São aquelas músicas que numa simples audição prévia já temos a percepção de ser algo especial. “Throwing Into Chaos” mostra logo o que a banda tem a oferecer, uma música pesada, mas com levadas interessantíssimas e de certa maneira diferentes. “Welcome Fatality” combina trechos em inglês e português e é mais um destaque, enquanto “Dying Grief” carrega no peso e tem uma estrutura mais tradicional de Death Metal, mas com belas melodias igualmente.

“Life” possui momentos calmos a agressivos, mostrando todas as nuances da sonoridade do Psychotic Eyes, e com grande destaque para a letra fugindo completamente do lugar comum do Death Metal. A faixa-título é, curiosamente, na minha opinião a música menos interessante do disco, talvez por não trazer nada de muito diferente, ou talvez pelo próprio nível elevado mostrado pelos músicos nas faixas anteriores fazer com que nossas expectativas sejam sempre muito elevadas.  “The Humachine” tem quebradas bem ao estilo Death, com riffs inspirados. E a longa “The Girl” fecha o disco em grande nível, com mais uma letra sensacional.

“I Only Smile Behind the Mask” é a prova perfeita de como fazer um som de capacidade técnica inquestionável, sem perder contudo o peso e a fúria inerentes à uma banda de Death Metal. Esse é o verdadeiro Progressive Death Metal, e um motivo de orgulho para o Brasil termos uma banda de tal quilate abrilhantando as nossas fileiras.

E com a proximidade de um novo lançamento do Psychotic Eyes, “Olhos Vermelhos”, um disco acústico de Death Metal, onde os mesmos novamente devem mostrar a ousadia em sua criação, a expectativa para os próximos passos da banda somente se elevam. E seja louvada a criatividade…

 

Nota: 9,0

Formação:

Dimitri Brandi de Abreu – vocal/guitarra
Douglas Gatuso – baixo
Alexandre Tamarossi – bateria

 

7 Faixas – 43:42

Tracklist:

1-Throwing Into Chaos
2-Welcome Fatality
3-Dying Grief
4-Life
5-I Only Smile Behind The Mask
6-The Humachine
7-The Girl