MIZANTROPIA - Oblivion

Muitos dizem que o Gothic Metal é um estilo que já deu o que tinha para dar, e agora seria tudo mais do mesmo. Talvez escutar esse disco da banda ucraniana Mizantropia mude essa opinião. A minha ao menos mudou…

Se não é a coisa mais original do mundo, é inegável que o trabalho da banda em “Oblivion” é espetacular, não devendo em nada as bandas top do gênero. E como eles colocam um peso extra em algumas das faixas, não seria exagero classificá-los como Extreme Gothic Metal.

Um dos destaques da banda é a vocalista Catherine Sinegina, com uma voz acima da média, não se contentando em soar apenas como uma simples cópia de outras vocalistas do gênero. Claro que tem um marmanjo urrando junto também, no tradicional estilo “a bela e a fera”. De destacar também o bom trabalho dos xarás guitarristas Serhii pelos riffs interessantes e a batera Anastasiya Kurchenko pelo belo (nesse caso redundante) desempenho em “Oblivion”.

Como as músicas são em sua maioria intituladas e cantadas em ucraniano (meus conhecimentos desta língua ainda não estão bem afiados, hehe), as que acabam chamando mais atenção são as faixas em inglês, como a espetacular “Dark Gathering” e a pesadíssima “Tomorrow Never Comes”. O disco possui duas bônus, a primeira um cover da diva Pop russa Alla Pugacheva, e a segunda meio nonsense, parecendo mais algo voltado para o Folk.

Mizantropia é altamente indicado para fãs de bandas como Moonspell, Draconian, Theatre of Tragedy, Paradise Lost e afins. Uma surpresa para mim, que desde já me tornei fã de mais uma banda ainda desconhecida por boa parte dos brasileiros, mas que, pela qualidade de seus integrantes, pode logo vir a mudar esse quadro…

Nota: 8,5

Formação:

Catherine Sinegina – vocais
Serhii Yasyr – guitarra
Anastasiya Kurchenko – bateria
Serhii Vojtenko – guitarra
Anton Abramov – baixo

11 faixas – 50:32

Tracklist:

1. Dark Gathering
2. Замок
3. На дне вечности
4. Poison of Life
5. Tomorrow Never Comes
6. За тобой
7. В ожидании битвы
8. Обломки пустоты
9. Не вижу взгляда
10. Бессонница
11. На коня!