1902046_10152293573691222_6534133616769491154_n

A banda suíça Coroner é daquelas que pareciam ter um grande futuro no Metal, com álbuns cada vez mais criativos, mas que, infelizmente, no seu auge acabou por encerrar suas atividades em 96, após cinco discos de estúdio. Quinze anos se passaram até a grande volta da banda, que desde então vem excursionando mundo afora e estará aterrissando no Brasil agora em Abril. E para falar destes shows por aqui conversei com o Baixista/Vocalista Ron Royce, que também fala sobre os planos futuros do Coroner.

 

Vicente – Vocês estarão tocando no Brasil agora em Abril. O que você espera? E o que os fãs daqui podem esperar do Coroner?

Ron – Estou ansioso para ver um público animado e entusiasmado, que já estava esperando um longo tempo para ver o Coroner pela primeira vez ao vivo na América do Sul. E eu espero que haja um grande número de pessoas em nossos dois shows em São Paulo e Recife. Os fãs de metal que virão para os shows podem esperar um show em alta voltagem com muitas canções clássicas do Coroner.

 

Vicente – Vocês já tocaram em muitos países ao redor do mundo em todos estes anos. Você acha que esses dias são melhores ou piores para as bandas, em particular para o Coroner?

Ron – Isto é o que eu, pessoalmente, ouvi de várias bandas: A situação nos dias de hoje é muito mais difícil em comparação com os anos oitenta e noventa. Porque os artistas não são capazes de vender tantos discos mais. Então, eles são forçados a sair em turnê cada vez mais, mas ainda ganhando bem menos dinheiro. No entanto, nós, os membros do Coroner, estamos em uma situação melhor, devido ao fato de que temos os nossos empregos, além da banda, por isso não somos obrigados a aceitar qualquer oferta dos promotores.

 

Vicente – Depois de quase 15 anos separados, Coroner retorna em 2011. O que aconteceu em todo este tempo e qual a maior razão para este retorno?

Ron – Depois que nos separamos em 96, cada um de nós se envolveu em nossos próprios projetos musicais; Tommy começou a “69 Chambers” com sua esposa e tem estado ocupado com seu estúdio de produção musical. A razão pela qual nos reunimos foi o grande pedido por parte dos fãs e algumas boas ofertas de diferentes promotores. E, claro, todos nós estávamos curiosos, a forma como iria soar, e se ainda seriamos capazes de botar para quebrar depois de tantos anos parados.

 

Vicente – E os planos futuros da banda? Talvez um novo álbum em breve?

Ron – Tommy, Daniel e todos os outros envolvidos estão trabalhando muito duro para em um pacote triplo, um DVD junto com um filme / documentário e cenas nunca antes publicadas. Eles estão quase terminando e isso vai definitivamente ser lançado este ano. Com certeza vai ser um presente para os fãs. Há também um novo álbum previsto, e nós iremos focar nele ele depois que voltarmos da turnê sul-americana, isso é também a razão por que não nos comprometemos a realizar muitos shows este ano, queremos nos concentrar em lançar o novo álbum em 2016.

 

Vicente – Em poucas palavras, o que você acha sobre essas bandas:

Ron – Kreator: Nós nos tornamos amigos próximos depois que nós tivemos a chance de abrirmos os shows durante a sua turnê nos Eua em 89, onde tocamos um total de 41 shows juntos.

Celtic Frost: É claro que devemos-lhes muito, porque Tom Warrior ajudou a produzir nossa primeira Demo, e ele também contribuiu escrevendo as letras e fazendo a parte vocal. Ele também apresentou o Demo para a gravadora, “Noise International”, onde fomos capazes de assinar um contrato para cinco álbuns consecutivos. Como apoio ao Celtic Frost e Kreator, nós também realizamos o nosso primeiro show em nossa cidade, Zurique.

Rush: Minha banda favorita de todos os tempos. Geddy Lee é a inspiração musical mais importante para mim.

Megadeth: De volta aos anos 80, quando começamos, também tiveram alguma influência sobre nós.

Voivod: Marky e Tommy acompanharam o Celtic Frost em sua turnê americana como roadies e, portanto, conhece-os pessoalmente, já que o Voivod estava abrindo o show do CF. Eles também estavam sob contrato com a “Noise Records Intl.”

 

Vicente – Por fim, deixe uma mensagem para todos os fãs brasileiros que realmente curtem o som de Coroner.

Ron – Gostaria de agradecer a todos que nos apoiaram lealmente durante todos esses anos e eu realmente estou ansioso para recebê-los em nossos shows

10805555_10152334344451222_8617978466448469080_n