Foto1

Pelos meus cálculos, é pela terceira vez que as meninas do Maire Dolls aparecem por aqui. O que, na verdade, não é nada mal, afinal de contas, muito melhor mostrar gurias como elas que um bando de barbado fazendo cara feia, concordam?

 

Enfim, aqui Renata Petrelli (Guitarra), Katherine Roiz (Vocal), Michelle Campos (Baixo), Aline Fernandes (Guitarra) e Julia Pinheiro (Bateria) falam sobre os planos da banda para este ano, sobre a nova formação e o preconceito contra as mulheres no rock, algo que ainda existe nos dias atuais (e talvez exista para sempre). Confiram o que a Marie Dolls tem a dizer…

 

 

Vicente – Fiz uma entrevista com a banda ao final de 2012 e, desde então, muita coisa aconteceu com a banda, o lançamento do EP, algumas mudanças na formação, o futuro disco que estará pintando em breve. Como analisam o atual momento da Marie Dolls?

 

Michelle Campos: muita correria agora com a nova formação! Temos muito trabalho pela frente para poder manter a agenda da banda!

Renata Petrelli: realmente, muitos planos, cronograma corrido, queremos voltar com tudo!

Katherine Roiz: bastante coisa pra fazer e pra resolver. Bastante ensaio porque a gente espera que vocês curtam muito as coisas que estão por vir!

 

Vicente – Inclusive a partir de agora a banda tornou-se um quinteto. Qual seria a maior diferença na sonoridade da Marie Dolls com a adição de uma nova guitarrista.

 

Michelle: eu como baixista posso defender e dizer que a escolha foi mais por estética do que sonoridade!

Renata: as músicas eu já compunha para 2 guitarras, agora acredito que esteticamente ficará mais coeso.

 

Foto4

 

Vicente – Aline, você já tocou anteriormente com a Renata. Acredita que essa experiência será fundamental nessa nova fase da banda?

 

Aline Fernandes: acredito que sim, porque já temos um entrosamento, sei como ela trabalha e como as coisas funcionam.

 

Vicente – Julia, como se deu o convite para fazer parte da Marie Dolls?

 

Júlia Pinheiro: a Renata me disse que o posto de baterista havia ficado vago e me convidou para fazer um teste e aí cá estou!

 

Vicente – Vocês lançaram ano passado o EP “Desires My Fall”. Como foi a composição e gravação deste registro?

 

Renata: a composição foi inteiramente feita antes da formação da banda em maio de 2012. A formação consolidada somente no final de dezembro de 2012, quando a katherine gravou as vozes.

 

Image front

 

Vicente – E o retorno do pessoal e da mídia especializada, tem sido a esperada por vocês?

 

Michelle: o retorno é bem positivo.

Renata: sim, sem sombra de dúvidas. Tanto o EP quanto os clipes, têm sido bem aceitos.

Katherine: com certeza. Como a Michelle disse, o retorno está sendo bem positivo. O que nos deixa bem animadas.

 

Vicente – As faixas em si têm sonoridades diferentes umas das outras. Isso foi proposital, para demonstrar de certa forma todas as facetas da banda?

 

Renata: na verdade não. Compus as músicas sem me prender a um único estilo, já que gosto de bandas bem diferentes que podem ser notadas as influências nas músicas. Desde o Grunge até o Heavy Metal.

 

Vicente – E o debut da banda, o que vocês poderiam adiantar sobre a gravação do mesmo? A sonoridade será na mesma linha do “Desires My Fall” ou trará algo diferente?

 

Michelle: temos muitas novidades pela frente, uma delas é um toque mais Hard Rock nas musicas devido a influencia de algumas de nós!

Renata: Sim, ao mesmo tempo que soará mais pesado, também terá influências de Hard Rock, sobretudo no baixo. O peso continuará com os riffs de guitarra, algumas músicas com afinações diferentes e uma bateria mais irritada (risos).

Katherine: já nos vocais, estou com um intuito de fazer algumas coisinhas mais pesadas, diferenciando um pouco de algumas das nossas músicas. Quero ousar um pouco (risos).

 

Foto3

 

Vicente – E quais são os principais objetivos daqui para frente?

 

Michelle: com certeza nosso debut.

Renata: Neste primeiro semestre é dar continuidade ao pré-produção do debut e alguns shows para continuar a divulgação do EP

 

Vicente – O cenário rock nacional sempre foi muito machista, vocês já sofreram de alguma forma com isso, ou acreditam que seja uma realidade que aos poucos está mudando?

 

Michelle: ainda é um cenário machista, mais estamos conquistando aos poucos nosso espaço!

Renata: sim, ainda é bem machista e até por parte da mulherada, que muitas vezes acham que a maneira de se vestir é que consagra (ou não) uma banda.

Aline: infelizmente ainda há um certo preconceito, mas vejo que está diminuindo aos poucos.

Julia: acho que além do preconceito, rola um estereótipo de como uma banda feminina deve soar e se portar. Muito chato isso, mas tenho certeza de que pouco a pouco essa coisa vá mudar.

Katherine: já passamos por coisas chatas sim. Desde risadinhas, até comentários maldosos. Sabe o que a gente faz? Finge que nada aconteceu. Afinal, as mulheres também podem fazer um bom Rock and Roll (risos). As mulheres estão ganhando o seu espaço nesse mundo.

 

Vicente – Uma mensagem para os fãs e amigos que curtem o trabalho da Marie Dolls e para aqueles que gostariam de conhecer melhor seu som e apostam na música nacional.

 

Michelle: galera, muito obrigada pelo apoio, temos muito caminho a percorrer e o que sempre nos da motivação é esse carinho e respeito que recebemos de vocês que vem nos acompanhando!!!!

Renata: obrigada mais uma vez, estamos trabalhando para cada vez mais melhorarmos nosso som. Amamos o que fazemos! É um caminho árduo, mas recompensador, graças ao apoio de muitos!

Aline: obrigada pessoal, sem o apoio de vocês nada seria possível.

Julia: agradeço a todo mundo, por tudo. Fica mais gostoso ainda fazer música quando a gente vê que vocês gostam. Motiva a gente a seguir em frente, evoluindo.

Katherine: agradecimento especial à todos que nos acompanham e nos apóiam sempre. Muito obrigada mesmo por acreditarem em nós. Espero que vocês curtam as coisas novas que estão por vir. E é isso ai. Não pode parar (risos). Obrigada!!!

 

Foto2