Paradox 2012

Os anos oitenta na Alemanha trouxeram um número sem fim de bandas que se tornaram famosas e clássicas mundo afora. Nomes como Accept, Helloween, Sodom, Kreator, Blind Guardian, Destruction entre outros continuam cruzando o mundo para mostrar sua música. O Paradox surgiu na mesma época que as bandas citadas, mas uma série de fatores, como diversas mudanças de formação, impediram que ela conquistasse o espaço que merecia. Mas o fundador, vocalista e guitarrista Charly Steinhauer não esmorece com todas as dificuldades, continuando a lançar grandes discos, como o mais recente “Tales of the Weird” e o futuro lançamento, “Heresy II – A Lasting Treasure?”. Confiram o que Charly tem a falar sobre toda a carreira da banda e sobre a cena musical dos dias atuais…

Vicente – Paradox começou sua jornada há quase três décadas atrás. Como você vê a trajetória da banda depois de todos esses anos?

Charly Steinhauer – Bem, em todos esses anos nós tivemos um monte de problemas no meio, mudanças de formação, problemas de saúde, pessoas indo e voltando e outros problemas para resolver. Não era fácil manter tudo acontecendo, mas a gente sempre lutou. A paixão é a chave. O fogo ainda queima em nós.

Enquanto ainda houver diversão vamos viver o nosso sonho. Não há fim à vista.

Vicente – Seu último álbum foi “Tales of the Weird”. Como foi a composição e gravação deste álbum?

Charly Steinhauer – Nós apreciamos cada momento, e durante o processo de composição percebemos que seria um dos melhores álbuns do Paradox, até agora, e não podíamos esperar ele ser liberado. Eu escrevi as músicas entre agosto de 2011 e março de 2012. Então nós fizemos as gravações em meu estúdio caseiro entre abril e agosto de 2012. A bateria foi gravada em um estúdio diferente. As letras foram escritas pelo vocalista ex Vendetta Achim “Daxx” Hömerlein. “Tales Of The Weird” foi produzido por mim e mixado / masterizado por Victor Santura. É nossa obra-prima!

Paradox 12 (2)Vicente – E a reação dos fãs, foi a que você esperava?

Charly Steinhauer – Nós recebemos comentários positivos dos fãs e imprensa de todo o mundo. Nós realmente apreciamos isso! Sabíamos que fizemos um bom álbum, mas nós não esperávamos um retorno tão legal. Nós temos que agradecer a todos que nos apoiaram e compraram o álbum. Isso nos mantém vivos. E a todos que baixaram o nosso álbum porque eles não tinham dinheiro para comprar, entendemos esta situação. Curtam “Tales Of The Weird”. Ele veio do coração. É para vocês, nossos fãs fiéis.

Vicente – O álbum trouxe um som mais pesado. Esta foi a proposta desde o início do processo de composição de “Tales of the Weird”?

Charly Steinhauer – Na verdade não. Mantivemos nosso foco em um “Thrash com classe”. Uma grande combinação de riffs pesados ​​e linhas melódicas melancólicas. A primeira canção que eu escrevi foi a faixa-título “Tales Of The Weird”. Na minha opinião, foi o caminho certo de como o som devia ser e conhecer em qual direção ele devia ir também. O resultado foi incrível.

Estamos muito felizes com “Tales Of The Weird”.

Vicente – Vocês gravaram uma versão de A Light in the Black (Rainbow). Por que vocês escolheram essa música?

Charly Steinhauer – A idéia de coverizar “A Light In The Black” partiu de mim mesmo, porque eu sou um grande fã de Ronnie James Dio e Rainbow desde os anos 70. Meu álbum favorito é “Rising” e com “A Light In The Black” nós pensamos que esta música seria perfeita para o Paradox. Esta é a nossa homenagem ao mestre! RIP RONNIE!

Vicente – E um novo álbum está próximo, certo? Conte-nos um pouco sobre essas novas músicas.

Charly Steinhauer – O próximo álbum virá no inverno de 2014. Vai ser uma grande surpresa. Depois de 25 anos entramos em contato novamente com os escritores de “Product Of Imagination” and “Heresy”. Apresentaram-nos uma história que será uma sequencia de “Heresy”.

Tenho certeza que todos que possuem “Heresy” irão adorar a segunda parte da história. “Heresy II – A Lasting Treasure?” inclui canções como “Escape from the Burning”, “Journey Into Fear”, “Children Of A Virgin”, “A Meeting of Minds”, “The Silent Caves”, “Unholy Conspiracy”, “A Man Of Sorrow”, “Burying a Treasure “,” The Great Denial ” “End Of A Legend?” e muito mais … Na verdade, você é a  primeira pessoa a obter essa informação sobre o próximo álbum do Paradox.

Vicente – A banda sofreu com muitos problemas com a sua formação em todos estes anos. Você acha que isso trouxe alguma influência naCharly Steinhauer  - vocals - guitar (7) história da Paradox?

Charly Steinhauer – Claro Paradox seria uma banda muito maior se não tivéssemos tantos obstáculos em nossa carreira, mas eu estou satisfeito com o que temos feito. Fizemos alguns grandes discos, visitamos muitos países, fizemos shows legais e conversamos com tanta gente que gostam de nossa música. Estamos orgulhosos dela e que a história não acabou.

Vicente – Vocês já tocaram em muitos países no mundo após todos estes anos. Você acha que esses dias são melhores ou piores para as bandas em geral, e especialmente para o Paradox?

Charly Steinhauer – Para o Paradox não é muito difícil conseguir ofertas, por sermos uma banda dos anos 80. Então, nada mudou para nós, mas para os recém-chegados é pior hoje em dia para conseguir ir adiante. O mercado está cheio de bandas medianas. Não há orçamento para gravar álbuns. Você precisa de um nome e bons contatos, como em todos os lugares. Estar na hora certa, no lugar certo e conhecer as pessoas certas. Então, com um pouco de sorte você tem uma chance.

Vicente – Como é a cena na Alemanha para o Rock e Metal?

Charly Steinhauer – Temos uma cena muito grande de heavy metal aqui. Em cada gênero de metal.

Algumas grandes bandas de Thrash como Kreator, Destruction, Sodom, mas também bandas mais melódicas como Blind Guardian, Helloween ou Accept. Se você tiver dinheiro suficiente, você poderia ver shows todos os dias. Realmente grandes eventos como o Wacken Open Air, Bang Your Head Festival ou para os fãs da velha escola Keep It True Festival ou Headbangers Open Air. Muitas bandas iniciantes chegando. Isso também satura um pouco o mercado. A cena ainda cresce.

Paradox 2012 - 7Vicente – Em poucas palavras, o que você pensa sobre essas bandas:

Judas Priest: Eu amo Judas Priest. Eu cresci com eles. Eu os vi abrindo para o AC / DC em 1979. Que grande concerto. “Unleashed in the east” ainda é um dos melhores álbuns ao vivo de metal de todos os tempos. Eles foram uma inspiração muito grande para outras bandas de heavy metal. Uma das maiores bandas de heavy metal de todos os tempos. A banda com o melhor vocalista. Rob Halford o deus do metal.

Destruction: Eu devo tomar cuidado com o que eu digo por que Schmier é meu amigo. (risos)

Eu gosto da banda, mas eles não constam em meus favoritos. Destruction é cult e precisamos de tais ícones da cena metal. Schmier vive metal e come metal, e ele é um ser humano muito gentil também.

Blind Guardian: Eles cresceram e são uma das maiores bandas da Alemanha. Eu me lembro que eles abriram para o Paradox nos anos 80. (risos). Bem, eles têm merecido porque eles não tiveram obstáculos e mudanças de formação e se aperfeiçoaram muito. Eu não sou realmente um fã de sua música, porque soa muito alegre aos meus ouvidos.

Kreator: Grande banda, grande compositor, grandes músicas de thrash Metal. Eu gosto muito dos últimos álbuns. Eles são a banda de thrash nº 1 da Alemanha. Sem dúvida, mas, na minha opinião, o vocal poderia ser melhor.

Sodom: Eu nunca fui realmente fã do Sodom, mas seus últimos álbuns me surpreenderam muito. Elas detonam. Hoje em dia eles soam mais transparentes.

Tom Angelripper é um trabalhador e é realmente um cara muito engraçado. Ele também pode não cantar muito bem, mas a sua voz se encaixa com a música. Aprovado!

Vicente – Por fim, deixe uma mensagem para todos os brasileiros que curtem ou querem saber muito mais sobre o som do Paradox

Charly Steinhauer – Nós já ouvimos um monte de coisas positivas sobre os fãs brasileiros de heavy metal. Temos que Agradecer a todos pelo apoio! Nós gostaríamos de vir para um par de shows, mas isso não é fácil. Que possamos encontrar alguém que torne isso possível. Para todos os metalheads brasileiros. Somos uma grande família meus amigos! Levantem seus punhos e mantenham a bandeira do metal lá no alto! BRASIL RULES!

Paradox 2012 - 1