Primeiro Ato

Este disco foi um daqueles fáceis e, ao mesmo tempo, difíceis de resenhar. O que parece uma contradição se explica pelo seguinte fato:

A primeira vista (e ouvida) neste primeiro registro da banda paulista Magnuss, tudo parece bastante com bandas como Cpm 22 e Detonautas. Mas ao escutarmos com mais cuidado o EP “Primeiro Ato”, percebemos que o som da banda no futuro poderá vir a ser mais interessante que as bandas citadas acima. A começar pelas faixas “Horizontes” e “De Braços Abertos”, que tem um peso muito legal, e um bom trabalho do baterista Rodrigo Cunha. As demais faixas, apesar de terem um lado mais comercial, apresentam algumas nuances bacanas, mais notadamente na boa “Literal”. As guitarras de Bruno Perroni e Alexandre Salvador mostram algumas boas ideias e inclusive alguns solos que conseguem aumentar o pique das músicas. O baixista Bruno Santos faz seu trabalho corretamente e o vocalista Felipe D’Orazio, apesar do timbre de voz muito parecido com os demais vocalistas do gênero, não compromete em momento algum e traz um “plus” muito legal: as inserções de violino e piano, em determinados momentos, deram o “algo” a mais que pode ser um grande destaque no som da banda para o futuro. Se a Magnuss não é a salvação do Rock nacional, ao menos pode vir a ser um bom nome para o futuro, restando somente um questionamento sobre o que virá:

A banda partirá em busca do sucesso fácil e abraçará o lado mais comercial, ou irá abraçar uma causa, digamos, mais artística e trabalhar ainda mais suas composições e colher o respeito dos fãs de rock do nosso país? Isso somente o tempo irá nos dizer, mas sinceramente torço pela segunda opção, pois potencial para isto possuem.

 

Nota:7,0

 

Tracklist:

01-Primeiro Ato (Intro)

02-Horizontes

03-Literal

04-Tocando Suas Lágrimas

05-Contradição

06-Enquanto Durar

07-De Braços Abertos