250916_238140889637332_750785508_n

A banda paulista Rosa de Saron surgiu ao final da década de 80, cujo som era próximo do Heavy Metal tradicional. Após alguns anos e os discos “Diante da Cruz” e “Angústia Suprema”, a banda foi moldando seu som, abandonando o passado e seu direcionamento. Com um grande status no cenário Pop/Rock nacional, principalmente na cena cristã, a Rosa de Saron vem lançando discos que tem agradado aos fãs, e com isso conquistando novos espaços. Nessa conversa rápida com o baixista Rogério Feltrin, ele fala um pouco mais sobre a carreira da banda e sobre os mais recentes lançamentos.

Vicente – Inicialmente, qual a avaliação que fazem da trajetória da banda após todos estes anos de estrada?

Rogério – Muito positiva. Acho que o tempo nos deu maturidade para cada vez fazer um trabalho mais autentico e menos inseguro com relação ao medo de rejeição das pessoas. É bom poder ter a liberdade de fazer o que está no coração.

Então, independente do sucesso ou não de cada trabalho, a gente se sente plenamente realizado em fazê-lo.

 

Vicente – O mais recente disco de inéditas da banda é “O Agora e o Eterno”. Como foi a gravação e a composição deste disco?

Rogério – Foi tudo feito entre muitas outras atividades. A gente não para tudo pra fazer um novo CD, então fica na correria, entre shows, compromissos, etc… Às vezes acabávamos de chegar de viagem e íamos diretamente pro estúdio. É assim que gostamos de trabalhar

 

600911_238139176304170_745652802_nVicente – E o retorno dos fãs e da mídia especializada, está sendo o esperado por vocês?

Rogério – A gente não gera muita expectativa. Claro que ficamos na torcida para que o trabalho caia no gosto dos fãs, e nesse sentido, graças a Deus, estamos muitos satisfeitos, o trabalho foi muito elogiado.

Vicente – Ele é o predecessor do aclamado “Horizonte Distante”. Como é para a banda superar-se a cada lançamento? Vocês exigem de si mesmos essa busca constante pelo aprimoramento das composições?

Rogério – Acredito que em qualquer atividade, seja ela artística ou não, existe sempre o anseio de se aprimorar, se superar ou ate mesmo se inovar. Não fugimos dessa regra, existe uma cobrança pessoal nesse sentido, que acredito ser muito natural.

Vicente – Qual foi a principal mensagem que a banda quis passar para os fãs com as letras de “O Agora e o Eterno”?

Rogério – De que a vida humana está intimamente ligada a vida espiritual, que uma tem reflexos e consequências na outra.

Vicente – Vocês gravaram um clipe para a música “Maquina do Tempo”. Conte-nos como foi essa gravação?

Rogério – Foi feita toda em estúdio, num fundo neutro, e depois foi tudo inserido em computação gráfica 3D

Vicente – A banda em seu principio tinha seu som mais voltado para o Metal, mas o estilo foi sendoRogerioAE-220x220 moldado até o atual. Qual foi a principal motivação para a mudança de rumo com relação à sonoridade da banda?

Rogério – Um desejo de se inovar sempre, de se atualizar, de não soar datado.

Vicente – Como está a agenda de shows da banda para 2013? Quais são os objetivos da Rosa de Saron para este ano?

Rogério – Muitos projetos: Comemorar os 20 anos de banda, gravação de DVD, Jornada Mundial da Juventude, enfim, 2013 promete ser um ano intenso.

 

Vicente – Qual a sua maior influência, aquele que o levou a querer ser um músico profissional?

Rogério – Não saberia identificar. Sempre gostei de música e sempre pensei em mexer com isso

 

Vicente – Uma mensagem para os fãs e amigos que curtem o trabalho da Rosa de Saron e apostam na música nacional.

Rogério – Muito obrigado por todas as formas de incentivo, seja indo aos shows, seja comprando os CDs ou uma palavra amiga nas redes sociais. Estamos juntos, é assim que se caminha, é assim que se vive e é assim que se busca a Deus.

Clipe Máquina do Tempo : http://www.youtube.com/watch?v=p2rzlMcZaGY