Banda Master
Local Estados Unidos
Gênero Death Metal
Ano de Formação 1983

 

O Master faz parte da grande geração do Death Metal americano dos anos 80. E ainda se mantendo na ativa atualmente, com mais de 10 discos de estúdio lançados, shows ao redor do mundo, a banda continua a fazer e firmar seu nome. E nós iremos poder ver este poderio aqui no Brasil, onde a banda fará uma série de apresentações em Novembro. Nesta entrevista com o fundador e líder da banda, o vocalista e baixista Paul Speckmann, ele fala sobre suas lembranças dos shows anteriores no Brasil e sobre o mais recente disco da banda, o ótimo “The New Elite”.

Vicente – Vocês vão tocar novamente no Brasil em Novembro. Qual é a sua lembrança dos últimos shows aqui?

Paul Speckmann – Tivemos alguns shows matadores, e alguns shows de merda. Afinal foram para nós 22 shows em sete semanas. No geral foi uma explosão, com a exceção da morte de Leon e Tim (integrantes da banda After Death, que vieram a falecer em Aracaju, quando faziam uma turnê em conjunto com o Master e o Predator). Foram tempos difíceis, e dedicamos todo o restante da turnê para esses caras. Esta foi à primeira turnê em que perdemos músicos e o horror de tudo isso ainda continua em minha mente às vezes. De uma maneira mais clara, os fãs foram legais em todos os shows e as mulheres bonitas eram tudo. A comida e a Cachaça eram ótimas. Nós também tivemos ótimos momentos com os caras do Predator. Esta foi definitivamente uma experiência que eu nunca irei esquecer, é uma pena que demorou tanto tempo para fazermos uma turnê por ai…

Vicente – O que você espera destes novos shows aqui?

Paul Speckmann – Um grande e poderoso momento com meus amigos do Massacre e ABSU, os shows estarão lotados sem dúvida, e é para isso que vivemos, meu amigo. Eu também espero comer muita carne, como da última vez no Brasil!

Vicente – E o que os fãs daqui podem esperar do Master?

Paul Speckmann – Um grande set, com muita agressividade é claro, mas no momento eu não tenho idéia de quanto tempo iremos poder tocar.

Vicente – Para você, quais são as músicas que nunca podem estar fora dos shows do Master? Quais são as novas músicas que certamente entrarão no set list?

Paul Speckmann – Master, Pay to Die, Unknown Soldier etc

Das novas músicas certamente Smile as You’re Told and Remove the Knife.

Vicente – Vocês lançaram este ano “The New Elite”. Como foi a gravação deste álbum?

Paul Speckmann – Normal como qualquer outra gravação da banda. Os discos do Master levam aproximadamente uma semana para serem gravados.

Vicente – E a reação dos fãs foi como você esperava?

Paul Speckmann – Claro que o álbum já está esgotado. A gravadora não tem dinheiro para relançar ele, uma situação bastante incomum por sinal.

Vicente – Uma das melhores músicas do álbum é Smile as you’re told. Como foi a composição dessa música em particular?

Paul Speckmann – Normal, eu escrevi a música cerca de um ano atrás, enquanto ensaiava numa manhã e trabalhamos nela até ela tomar essa forma, nada de muito especial meu amigo. Eu escrevo cerca de 200 riffs por ano e quando é chegada a hora de gravar eu os escuto, faço os arranjos e vamos em frente. As letras são escritas após as músicas estarem 100% concluídas. As palavras vêm naturalmente. Vivemos em um mundo cheio de merda e controle, é hora de se levantar, lutar e ser livre novamente.

Vicente – Master é a uma das maiores bandas de Death Metal no mundo. Como você vê essa cena nos dias de hoje?

Paul Speckmann – A cena está melhorando, cada vez mais pessoas estão começando aparecer nos shows novamente. Claro que os anos noventa foram os melhores, mas a cena definitivamente tem crescido novamente, assim tudo está bem no meu acampamento!

Vicente – Em 2013 o Master irá comemorar 30 anos de existência. Depois de todo esse tempo, quais são seus próximos objetivos?

Paul Speckmann – O mesmo de sempre, fazermos em torno de 100 shows a cada ano e escrever e gravar CDs novos a cada 2 anos, e assim vamos continuar. Meu objetivo é tocar nos maiores festivais da Europa, mas isso o tempo vai dizer meu amigo.

O maior problema aqui, como com qualquer entidade é a política. Os festivais alemães são todos voltados para a política!

Vicente – Quando você começou na música, quais foram as suas maiores influências, que inspiraram você?

Paul Speckmann – GBH, The Exploited, Black Sabbath e Motorhead.

Vicente – Em poucas palavras, o que você pensa sobre essas bandas:

Death: Morto

Venom: Morto

Motorhead: Ainda vivo e chutando.

Obituary: Sem um guitarrista solo.

Slayer: Era uma vez a maior, pelo menos no tempo de Reign in Blood e Hell Awaits.

Vicente – Por fim, deixe uma mensagem para todos os brasileiros que amam o som do Master.

Paul Speckmann – Nos vemos nos festivais, estou ansioso para estar mais uma vez ai…