O Holocausto é outra daquelas bandas nacionais que perseveram a quase três décadas no cenário Metal nacional. A banda já chegou a encerrar suas atividades durante dez anos, retornando para lançar o bom “De Volta ao Front”. Mesmo passando um tempo “de molho”, planejam novidades para breve. Conversei com o baixista/vocalista Anderson Guerrilheiro, que nesta entrevista conta tudo sobre a banda, inclusive sobre a controversa imagem nazista do inicio de carreira. Confiram o poder do Holocausto…

 

Vicente – Inicialmente, Fale um pouco sobre os vinte e sete anos de existência do Holocausto.

Anderson Guerrilheiro – Bom, a banda passou por várias fases desde a sua criação no inicio dos anos 80, com a saida do Valério a banda passou por um processo normal de mudanças em seu estilo com a chegada de novos membros com novas ideias, depois eu (Anderson Guerrilheiro) sai e ficou apenas o Rodrigo e a partir daí passaram a criar novos projetos e a banda foi perdendo bastante a identidade original até voltar a alguns anos atrás com a formação original e há pouco tempo, com o Rodrigo saindo, a banda passou a fazer alguns testes com alguns bateristas e hoje com bom material pra gravar continua parada, mas em breve com novidades.

 

Vicente – A banda esteve inativa durante 10 anos, entre 1994 e 2004. O que ocasionou o encerramento das atividades da banda e o como rolou o retorno?

Anderson Guerrilheiro – Bom, como falado anteriormente a banda foi perdendo sua identidade e o som ficou muito diferente a ponto de mudarem até o nome da banda, passou a se chamar Paxbaa. Um dia o Rodrigo perguntou ao Valério se ele se animaria a voltar, o qual também já pensava nessa ideia, me ligaram e resolvemos criar o novo material que foi o “De volta ao Front”.

Vicente – O resultado deste retorno foi o disco “De Volta ao Front”. Como foi a gravação desse disco?

Anderson Guerrilheiro – Estávamos a um longo tempo sem tocar,  apenas o Rodrigo que continuou com outros projetos. Foi gravado em uma semana e gravamos tudo de uma só vez, como se fosse um ensaio ao vivo.

Vicente – E o retorno do pessoal, foi a que vocês imaginavam?

Anderson Guerrilheiro – Nunca nos preocupamos com retorno ou não do que criávamos ou criamos, mesmo porque as vezes uma criação não é compreendida bem naquele momento e com o passar dos anos passam a gostar, foi assim com o clássico “Campo de Extermínio” e hoje o “De volta ao Front” pode ser lançado na Alemanha.

Vicente – O Som da banda é de difícil descrição, pois nunca se prenderam a um determinado estilo, mas sempre sendo extremo acima de tudo. A proposta da banda sempre foi esta, compor sem se importar com o estilo?

Anderson Guerrilheiro – Sim, na verdade esse é o nosso estilo, deixar a energia do momento vivido sair em forma de som e ver no que vai dar, talvez ai esteja a questão de que, com o tempo, alguns fãs passam a curtir aquele som que naquela hora não gostavam, talvez entrassem em conexão com o que sentíamos ao criar, muito viagem isso? (risos)

Vicente – Algum álbum novo a caminho, afinal faz 7 anos desde “De Volta ao Front”?

Anderson Guerrilheiro – Temos umas 10 ou 13 musicas no ponto para o “Diário de Guerra”, agora é saber quando que vamos terminar essas gravações.

Vicente – No inicio da carreira a banda tinha um visual quase nazista, justamente para chocar o público. Vocês tiverem muitos problemas na época com isso?

Anderson Guerrilheiro – Realmente foi pra chocar na época, afinal era o tempo da ditadura e o tema da época era o satanismo e a banda no todo é bem politizada. Sofremos nas mãos da policia por sermos cabeludos e sempre estarmos reunidos nas esquinas de nossos bairros, sobre a questão do visual nazista, muita gente ainda hoje pensa que a banda era nazi, pois se esquecem que era apenas uma representação de um tema, assim como os atores de um filme da segunda guerra mundial não são nazistas.

Vicente – Quais são as suas maiores influências?

Anderson Guerrilheiro – O Sepultura da época, Sodom, Destruction, Hellhammer, Celtic Frost, Motorhead, Rattus, DRI, Cromex, Freax com quem já tocamos e tivemos boas loucuras, Slayer e tantos outros.

Vicente – Muito se fala sobre os diversos problemas da cena Metal no Brasil. Qual avaliação que vocês fazem da mesma, visto o longo tempo que a banda já tem de estrada? Acreditam que ela melhorou, piorou ou está estagnada?

Anderson Guerrilheiro – Na minha opinião o movimento enfraqueceu, talvez não em todo o país, mas vejo que há muita desfragmentação, por exemplo, em shows, quando uma banda entra é um público, ai essa banda sai e entra outra com outro público, parecem mais torcedores de clubes e não quem curte o metal em toda sua essência. Antigamente via-se uma banda no palco e uma galera misturada e isso incluía membros de outras banda e ninguém saia de perto ate a ultima sair do palco.

Vicente – Em poucas palavras, o que acham das seguintes bandas:

Sepultura: banda que respeito por ter levando o nome do Brasil e do metal para o mundo lá fora, porém ela mesma fechou as portas para as demais bandas tão boas quanto ela ao dizer em entrevista na Europa que não existia mais outras bandas.

Brujeria: Do caralho, gosto muito.

Slayer: escuto e volto no tempo, me enche de energia e dá uma vontade de sair dando porrada (risos)

Destruction: outra banda que nem precisa dizer tanto, pois nos deu grande influência no passado e ainda está presente em nossos equipamentos de som.

Vicente – Uma mensagem para os fãs e amigos que curtem o trabalho do Holocausto e para aqueles que gostariam de conhecer melhor seu som e apostam no Metal nacional.

Anderson Guerrilheiro – Um grande abraço a todos que curtem o Holocausto e estamos ai pro que der e vier, e espero que com mais um material novo.