Banda

Trail of Tears

Local

Noruega

Gênero

Gothic Metal

Ano de Formação

1997

 

Os noruegueses do Trail of Tears é outra banda que estará se apresentando pela primeira vez no Brasil este ano, com dois shows em São Paulo, dias 10 e 11 de Novembro. Um dos grandes da cena Gothic Metal mundial, a banda teve sua formação ao longo dos anos esfacelada, mas mantendo-se sempre na ativa. Nesta entrevista com Ronny Thorsen (Vocal), único membro fundador a permanecer na banda, ele fala sobre a expectativa dos shows no Brasil, e dando uma geral na carreira do Trail of Tears.

 

Vicente – Vocês vão se apresentar no Brasil em Novembro. O que você espera encontrar aqui?

Ronny – Bem, é a primeira vez no Brasil, podemos apenas nos basear no que outras bandas nos disseram, e a impressão geral é de que o público brasileiro é muito entusiasmado e cheio de energia. Ouvimos apenas coisas positivas, por isso esperamos que seja uma experiência memorável!

Vicente – E o que os fãs daqui podem esperar do Trail of Tears?

Ronny – Eles podem esperar uma banda que está soando melhor do que nunca e vai dar 110% de energia, para ter certeza de que vocês terão uma experiência fantástica! Já que será a primeira vez, vamos tocar algumas músicas que não executamos há um longo tempo, combinado com músicas de toda nossa discografia.

Vicente – Para você, quais são as músicas que nunca podem estar fora do set list?

Ronny – Isso depende muito onde vamos tocar, se for em um novo país, como neste caso, então vamos ter que tocar algumas músicas mais antigas e em outros territórios onde temos tocado muito, é natural se concentrar em canções diferentes do que as pessoas normalmente assistem. Então, para o Brasil, será uma boa combinação do antigo e do novo, com algumas raridades no meio.

Vicente – Você já tocou em muitos países no mundo nos últimos 15 anos. Você acha que esses dias são melhores ou piores para os artistas em geral?

Ronny – Há prós e contras. Uma das coisas ruins é que, desde que as vendas de álbuns estão em declínio devido aos downloads ilegais, mais e mais bandas estão sendo forçadas a estar em constante turnê, algo que deixa o mercado um pouco saturado. Quando começamos a tocar, não havia muitas bandas em turnê, agora, todas as bandas estão constantemente na estrada, o que traz uma maior concorrência, pois as pessoas têm de escolher quais bandas irão ver, já que não podem se dar ao luxo de ver todos elas. A coisa positiva é que novos mercados abrem-se o tempo todo, e nos últimos anos temos tido a sorte de visitar e tocar em muitos novos países, como a Bielorússia, Ucrânia, China e alguns países do Leste Europeu, por exemplo.

Vicente – Ronny, você é o único membro desde o inicio da banda. Como está a formação atual do Trail of Tears?

Ronny – Bem, com a exceção do nosso baterista, mantemos a mesma formação a quase sete anos, de modo que é a mesma quantidade de tempo que a anterior durou. É importante que as pessoas saibam que, quando uma banda tem estado na ativa há tanto tempo como nós, mudanças de formação vão acontecer, porque as pessoas mudam suas vidas e prioridades, alguns se tornam pais de família, e querem focar nisso. A formação atual está mais forte do que nunca, o que o pessoal no Brasil vai ver por si mesmo, em Novembro.

Vicente – Vocês lançaram “Bloodstained Endurence”, em 2009. Como foi a gravação deste álbum?

Ronny – Gravamos no Sound Suite Studios, em Marselha, França, com o produtor Terje Refsnes, como fizemos em “Existentia” and “A New Dimension of Might” Além disso, o novo álbum que acabamos de concluir foi gravado lá. Nós gostamos da atmosfera do estúdio e de trabalhar com Refsnes, porque ele tira o melhor de todos nós.

Vicente – E a reação dos fãs da banda, foi como você esperava?

Ronny – As reações foram melhores do que eu poderia ter sonhado! É sempre difícil saber como as pessoas vão compreender um álbum, cada fã é diferente, algumas pessoas preferem os álbuns anteriores e outros não haviam começado a nos ouvir até os últimos lançamentos, mas o feedback em geral tem sido ótimo, temos muitas turnês e em muitos países em que nunca estivemos antes, como Bielorússia, Estónia, Romênia, e uma turnê completa na China.

Vicente – Uma das grandes músicas deste álbum é Kissed by the Serpent (Twice Bitten by Truth). Como foi a composição desta canção em particular?

Ronny – Essa música veio à vida assim como as outras, escrevemo-las sem pensar muito e as melhores músicas são as que estão no álbum.

Vicente – Para você, qual é a maior diferença entre “Bloodstained Endurence” para os demais álbuns do Trail of Tears?

Ronny – É sempre difícil para eu responder a esse tipo de questionamento, eu estou no meio de todo o processo, mas é realmente um desenvolvimento natural. Você tem que lembrar que, quando eu fiz o primeiro álbum, eu tinha somente 18 anos e é natural nos desenvolvermos ao longo dos anos, tanto como compositor quanto na performance. Cada álbum tem características próprias, mas eu gosto de pensar que todos eles são facilmente reconhecíveis como álbuns do Trail of Tears.

Vicente – O novo álbum tem previsão de lançamento?

Ronny – O novo álbum já está finalizado, juntamente com a arte da capa, fotos etc… Estamos falando com algumas gravadoras no momento, antes de decidir quando iremos liberá-lo.

Vicente – Como está a cena na Noruega para o Rock e Metal?

Ronny – É uma cena pequena, mas ainda forte eu acho, com muitas bandas boas. Eu nunca me preocupei muito com cenas nacionais para ser sincero, se uma banda é boa, então realmente não importa para mim de onde ela é. A Noruega é um país pequeno e que, mesmo que tenhamos muitas bandas boas, o mercado para este tipo de música é sempre melhor no exterior, simplesmente porque há um número maior de pessoas.

Vicente – Em poucas palavras, o que você acha sobre esses artistas:

Tristania: Eu conheço bem, tanto que eu fiz os vocais para o  álbum World of Glass, temos realizado muitas turnês também. Grande banda.

Dark Tranquility: Fizemos alguns festivais com eles, grandes caras e gosto bastante de alguns de seus álbuns.

Epica: Grandes caras e menina também. Fizemos um monte de shows e festivais com eles na Europa, uma banda que trabalha duro e merece todo o sucesso que tem.

Sirenia: Também realizamos algumas turnês com eles na Europa e uma no México. Ainda não consegui escutar seus últimos discos.

Dimmu Borgir: Uma banda que eu respeito muito por sua longevidade e trabalho duro. Fizeram um par de álbuns fantásticos e nós tocamos com eles no passado. Grandes caras!

Vicente – Por fim, deixe uma mensagem para todos os brasileiros que realmente gostam de Som do Trail of Tears

Ronny – Vínhamos tentando ir para o Brasil por um longo tempo, e sabemos que temos vários fãs aí, por isso vai ser uma honra para nós, finalmente, ir tocar para vocês, e espero que vocês espalhem a notícia e tragam seus amigos para os shows! Vamos ter um grande momento e a festa vai ser igualmente grande!