Tags

, , ,

Banda

Montechiari Project

Local

Rio de Janeiro

Gênero

Progressive Rock

Ano de Formação

2007

 

O Montechiari Project é, como o próprio nome sugere, um projeto idealizado por Raphael Montechiari, instrumentista de mão cheia, que criou, na minha opinião, um dos grandes discos de Rock Progressivo nacional. O “How was the Future?”. E o sucessor desse registro pode estar surgindo no ano que vem. Confiram o que Raphael tem a dizer sobre a banda e tudo o que rola no cenário nacional.

Vicente – Como avalia a trajetória do Montechiari Project até este momento?

O Montechiari Project é um projeto solo, onde convido músicos amigos para tornar esse som realidade. Comecei a compor algumas músicas, influenciado pelas bandas que vinha ouvindo frequentemente na época, em 2005, e notei que tinha em mãos um disco completo, todo progressivo, diferente das bandas que eu já tocava. Resolvi produzir o disco e, 4 anos depois, se tornou realidade. Na verdade esse é um projeto onde a banda ainda não é fixa, e só nos juntamos para a gravação do disco e depois para um show de lançamento, em 2010.

Vicente – Vocês lançaram em 2009 um dos grandes discos de Rock Progressivo da época, o “How Was The Future?”. Como foi a gravação do mesmo, você ficou plenamente satisfeito com o resultado obtido?

A gravação desse disco foi bem demorada, já que foi um projeto solo e, mesmo com a participação dos músicos nas gravações, todo o resto ficava por minha conta. Então fomos gravando todo o disco, aos pouquinhos, quando sobrava um tempo. Às vezes parava por falta de dinheiro pra gravar ou por falta de agenda minha ou dos outros músicos. Depois de tudo ainda demorou um tempo na arte e na prensagem. Mas o resultado obtido foi bem acima do que imaginava, já que fizemos 70% do disco em home-studio.

Vicente – E a reação do pessoal, foi à esperada?

Nesse aspecto tudo é surpreendente. Eu não imaginava o disco sendo bem recebido fora do país, como foi. É muito legal ver resenhas de sites japoneses, russos, franceses e americanos, todos elogiando muito o trabalho.

Vicente – Como estão os planos para a gravação de um novo álbum?

O novo disco já começou a ser gravado há 2 anos atrás. Quando lançamos o “How Was The Future? “, o novo disco já estava todo composto e arranjado. Só as letras que ainda não estavam prontas. Então gravamos bateria, baixo e, esse ano, algumas guitarras. Ainda faltam acertar algumas letras, regravar uns teclados e gravar a voz pra fechar. O nome do disco será “Nonsense” e, espero terminá-lo até o meio de 2013.

Vicente – O som do Montechiari Project é um Progressive Rock com algumas influências de Metal. Essa foi o estilo que você buscou desde o inicio das atividades?

O progressivo sempre foi o foco. Acabou sobrando uma influência de bandas que sempre ouvi, mais pesadas. Mas, nesse projeto, sempre busquei uma sonoridade mais prog setentista do que Metal.

Vicente – Quais são suas principais influências?

As influências desse disco foram Yes, Camel, Kansas, Rick Wakeman, Pink Floyd, Genesis e um pouco do ELP. Há também alguma influência de bandas Pop como U2 e Tears For Fears. Depois de pronto dá pra notar onde cada banda influenciou o trabalho.

Vicente – Como você vê o cenário nacional neste momento? Acredita que está melhor, ou piorou em relação há anos anteriores?

Com certeza a música e a cultura no país estão em uma crescente, acompanhando o crescimento da economia. Com isso, mais casas de shows estão disponíveis para produções, equipamentos melhores a um preço mais acessível e a internet trazem possibilidades de divulgação de eventos e CDs que há 10 anos atrás seria impossível. A possibilidade de se fazer um trabalho de qualidade em casa, com softwares profissionais, traz possibilidades cada vez melhores para as composições e arranjos. Acredito que em poucos anos isso tudo começará a vir à tona e teremos cada vez mais variedades de bandas de qualidade no país.

Vicente – Em poucas palavras, o que acha das seguintes bandas:

Porcupine Tree: Uma banda que já esteve entre as minhas preferidas, principalmente no disco “In Absentia”. Assisti a um show deles na Itália, inesquecível!

Rush: Uma das melhores bandas do mundo e uma das primeiras de progressivo que fiquei apaixonado.

Pain of Salvation: Conheço poucas músicas, mas a “Used” e a “Ashes” estão entre minhas preferidas.

Jethro Tull: Conheço as mais clássicas, mas nunca me aprofundei no som deles. Não tem como não gostar do álbum “Aqualung”.

Tool: Apesar de ter ouvido falar, ainda não conheço o trabalho da banda.

Vicente – Uma mensagem para os fãs e amigos que curtem o trabalho do Montechiari Project e para aqueles que gostariam de conhecer melhor seu som e apostam no Rock nacional.

Agradeço muito a todos que curtem nosso som e dão o feedback. Isso é fundamental para que nós continuemos o trabalho, estimulados, sabendo que existem pessoas que apreciam nossas músicas. Pra todos que gostam do Montechiari Project, manifestem-se, aplaudindo, curtindo, mandando e-mails, mensagens. Essa força que nos faz trabalhar cada vez mais. Pra quem ainda não conhece nosso trabalho, visite http://www.facebook.com/pages/Montechiari-Project/174851855900103