Tags

, , , ,

Banda

Clamus

Local

Ceará

Gênero

Death/Thrash Metal

Ano de Formação

1999

 

Em uma entrevista quase “irmã” com a anterior, já que Felipe Ferreira (baixo) faz parte do Krenak também, hoje quem surge é o Clamus, tão pesado quanto, mas com uma grande dose de Thrash Metal no som também, o que faz com que a banda agrade o pessoal de ambas as vertentes. Quem respondeu as perguntas, conjuntamente com o Felipe, foi o Lucas Gurgel (guitarra). Completa o “power trio” cearense o baterista Clerton Holanda. Com vocês, Clamus…

Vicente – Inicialmente, conte-nos um pouco sobre os 13 anos de trajetória do Clamus?

Felipe Ferreira: Esses 13 anos foram calcados em muitas transformações na banda. Desde mudanças constantes de line-up (eu entrei em 2006, após a saída de Carlos James (Facada)) a busca de novos horizontes estéticos, o que se configura na atualidade.

Lucas Gurgel: De lá pra cá lançamos fita Demo, um EP, participamos de coletâneas, lançamos dois CDs e gravamos três clipes. Foram muitas ações em termos de lançamento e mesmo no que diz respeito a shows, onde circulamos por importantes festivais, tanto no Ceará como em vários estados do Brasil. O que permanece de lá pra cá é a nossa paixão por tocar Metal.

Vicente – Vocês lançaram em 2009 seu segundo disco “Frontière”. Como foi a gravação do mesmo, rolou tudo como esperavam?

FF: “Frontière” foi produzido em parceria com o extinto estúdio Digisound com os músicos e produtores Fabrício Carvalho (Tiglath), Delano (Somberlain) e Rodrigo (Necromorten). Os mesmos já haviam produzido nosso disco anterior, “Influences”, o que de certa forma ajudou bastante a nos conectarmos em torno de uma mesma ideia.

LG: O processo todo envolveu muito diálogo e participação da nossa parte. E pelo fato da equipe envolvida entender do estilo, isso contribuiu para que tudo fluísse espontaneamente. Ainda hoje nos orgulhamos do resultado, tanto sonoro como conceitual.

Vicente – E o retorno dos fãs, foi o imaginado por vocês?

FF: Com certeza que sim! Aonde chegamos com nossas músicas o retorno é bem positivo!

Vicente – Vocês fizeram um videoclipe para a música “Pétrea”. Como foi essa gravação, e porque a escolha desta música em particular?

FF: “Pétrea” foi produzido em parceria com o projeto “Rock.doc” da Associação Cultural Cearense do Rock (ACR), projeto esse que visava à produção de material audiovisual de bandas independentes, fomentando o mercado local de produtores em audiovisual. “Pétrea” foi a escolhida acredito pela imagem clara de roteiro que a letra nos fornecia naquele momento; a fronteira do natural/cultural forneceu um excelente mote para o vídeo!

Vicente – Anteriormente, vocês lançaram “Influences”. Conte-nos um pouco sobre esse álbum.

LG: “Influences” foi nosso primeiro álbum e também foi gravado no estúdio Digisoung. Como normalmente acontece em um primeiro lançamento, suas músicas provinham de nossas demos e EP, mas contaram com uma nova roupagem. Diferentemente de “Frontière”, “Influences” não apresentava um conceito que permeava as músicas, o que não impedia que nossa energia viesse à tona ao longo do álbum. Estávamos gravando um registro oficial pela 1ª vez e cheios de gás, e vejo que isso é latente desde a faixa de abertura até a última música. Destaco também a produção que remete muito à banda tocando ao vivo. “Influences” representou uma abertura para novos contatos e possibilidades para shows Brasil afora.

Vicente – Vocês estão gravando o próximo disco, correto? Poderiam adiantar alguma coisa para nós?

FF: O sucessor de “Frontière” está em fase de gestação. Estamos com cerca de 5 músicas em “lapidamento”. Queremos lançá-lo em 2013.

Vicente – Qual acredita ser a principal diferença dele para os discos anteriores?

FF: Esse disco será crucial para todos nós, estamos experimentando pela primeira vez em 13 anos o formato trio (o guitarrista Joaquim Cardoso saiu da banda), e isso tem representado uma inovação única no nosso estilo!

Vicente – O Clamus, além de uma cozinha pesada e guitarras que esbanjam riffs sem perder a agressividade do estilo, também tem um “jogo” de vocais muito interessante, o que atribui um poder ainda maior ao som da banda. Este seria o propósito desde o inicio, um som pesado, mas com uma técnica apurada?

FF: O Clamus sempre se propõe a fugir do convencional, sem contanto perder a identidade metálica, construída ao longo dos anos.

LG: E isso tudo surgiu de uma forma espontânea onde fomos ousando ver como a inovação podia andar lado a lado com o impacto e força que esperávamos

Vicente – Quais são as suas maiores influências?

FF: Todos na banda têm diversas influências musicais, e trazem isso para a banda. Acredito que a única limitação para nós é soar metal, seja usando uma ideia de bateria tirada de um disco do Rush, por exemplo, seja “louvando” Paradise Lost (influência incondicional de todos na banda!)

Vicente – Como vocês vêem o cenário no nosso país nesse momento? Acreditam que piorou ou houve uma pequena melhora na divulgação e espaço para shows?

FF: Muita coisa melhorou, os contatos se tornaram mais próximos e constantes, algumas cidades são casas sólidas para várias bandas, as bandas têm se esforçado para soarem mais profissionais… Acredito que uma das dificuldades no Brasil ainda é a logística de turnês, pois o Brasil é um país continental, o que acaba dificultando um pouco. Uma boa solução para esse problema são as minitours, os bate-voltas entre uma cidade e outra e os fins de semana.

Vicente – Em poucas palavras, o que acham das seguintes bandas:

FF: Carcass: Puta influência na banda, grande norteador do nosso estilo!

Slayer: Os diabólicos reis do Thrash Metal!

Metallica: Nosso guitarrista Lucas Gurgel tem bastante influência!

Sepultura: Pioneiros desbravadores do metal brasileiro mundo afora! Escola obrigatória!!

In Flames: Suécia é um país que a todo momento gesta grandes nomes na música metal mundial, In Flames com certeza foi um deles!

Vicente – Uma mensagem para os fãs e amigos que curtem o trabalho do Clamus e para aqueles que gostariam de conhecer melhor seu som e apostam no Metal nacional.

FF: Obrigado pelo espaço, Vicente! Aos fãs que não nos conhecem, acessem www.myspace.com/clamusmetal! Aos que nos conhecem, aguardem novo material, e nos vemos na estrada!!

LG: Grato pelo espaço e longa vida ao Site!

LaFrontiere: http://www.crocko.com/B052DB100EEE480EA94C3B0575999583/CLAMUS_La_Frontiere.mp3

Clipe “Pétrea”: http://www.youtube.com/watch?v=F1t1dvZQQJA