Tags

, ,

 

Banda

Disharmonic

Local

Espanha

Gênero

Death Metal

Ano de Formação

2010

 

 Hoje publico a entrevista realizada com esta banda espanhola de Death Metal, que recém está iniciando sua caminhada, mas que já está em fase de produção de seu segundo disco. O Disharmonic faz um Death Metal brutal, mas com uma boa dose de técnica e com os vocais “assustadores” da vocalista Bao Brurial. Foi a própria Bao, juntamente com o fundador e guitarrista Enrique “Kike” Prieto, que concederam está entrevista. Completam o Disharmonic Javi (Baixo) e o novo guitarrista, Sérgio. Ao final da entrevista tem o link para download de três faixas cedidas pela própria banda.

Vicente: Como foi o inicio do Disharmonic?  E Vocês lançaram em 2011 seu primeiro disco “The Creature – Artificial Ignorance”. Como foi a divulgação? Quando e onde foi gravado?

Bao – Olá, inicialmente obrigado por seu apoio! Eu comecei no Disharmonic em 12 de março de 2011.Gravei a música “Impossible” naquele dia. Eu realmente gostei da banda desde o primeiro segundo, o som era cativante, pesado e me dá a oportunidade de experimentar com diferentes vocais guturais.

Kike – Obrigado pelo seu tempo e pela entrevista. Nestes dois anos, mesmo sendo uma banda jovem o Disharmonic tem sido amplamente aceito pelo povo e pela mídia. A banda tem vida e seu primeiro álbum vendeu muito bem.

A divulgação, em grande parte tem sida muito boa, graças a Internet é fácil alcançar muitas pessoas e sua música é ouvida na maioria dos países, também a “Hecatombe” está distribuindo o CD. O álbum foi gravado no, até agora, estúdio Enrique Prieto (estúdio não profissional) em 2011. Pensamos que o resultado hoje em dia é realmente bom, dentro das nossas possibilidades.

Vicente: E a reação dos fãs, foi como vocês esperavam?

Bao – Não… Foi uma surpresa para mim…As pessoas estavam muito satisfeitas com o primeiro Single do Disharmonic, “Impossible”.

Kike – A reação dos fãs foi muito surpreendente, na verdade, o disco tem ido melhor do que esperávamos, e uma vez que lançamos “Impossible”, os fãs responderam muito bem ao Disharmonic, o pessoal hoje está esperando o segundo CD da banda.

Vicente: Vocês estão gravando seu segundo álbum, certo?

Kike – Sim, a banda está preparando o que será seu segundo álbum de estúdio, que está sendo gravado até agora em nosso próprio estúdio, que nos dá a capacidade de nos fixarmos nos pequenos detalhes. Acreditamos que este segundo álbum pode levar o Disharmonic a um novo patamar.

Vicente – Para vocês, qual é a maior diferença para o primeiro disco “The Creature”?

Kike – A maior diferença é que agora temos outro guitarrista, o Sérgio e, sinceramente, acredito que o som está mais completo, porque somos um grupo que gosta de colocar um monte de “overdubs” e agora é possível, graças a essa nova contribuição, por outro lado acho que as músicas estão mais complexas e elaboradas, ricas e pesadas.

Vicente: O nome é “Death Mechanic Processing”?

Bao – O álbum será ambientado em um cenário pós-apocalíptico, depois de desastres nós podemos sobreviver graças à tecnologia e a ciência (somos semelhantes aos cyborgs) e nós somos dominados por altas entidades (talvez de outros planetas). As letras tentam passar uma mensagem de “pense por si mesmo”.Mas eu não contarei mais nada…

Vicente – Como está a cena metálica na Espanha?

Bao – Há talento, crianças de 15 anos com uma banda podem surpreendê-lo mais do que alguns adultos (Necrossed por exemplo, que são de Almería, como o Disharmonic). O trabalho duro é que faz você ser uma banda decente, mas sem entusiasmo você não é nada.

Kike – A cena espanhola é muito boa e com grande nível, temos grandes bandas de todos os estilos, mas não temos muito apoio da mídia, as pessoas são um pouco fechadas em termos de estilos musicais. Ainda mais quando são grupos do interior do país.

Vicente – O que vocês sabem sobre Rock e Metal no Brasil?

Bao – Sepultura, Krisiun… Procurando no google (risos)… Eu sou honesta, mas a partir de agora eu irei conhecer mais sobre as bandas do Brasil! Você pode falar para mim algumas bandas?

Kike – Sabemos que o Brasil tem uma cena Metal e Death Metal muito boa, para mim um exemplo é o Krisiun, uma banda brutal e devastadora. Eu me considero um fã, Sepultura, Scourge. Embora eu saiba que existam muitas bandas do Brasil, o que sai dai tem uma grande qualidade.

Vicente – Quais são as suas maiores influências?

Bao – Dir en Grey, Meshuggah, Lamb of God, Death…

Kike – Todos nós temos nossas próprias influências, mas eu posso te dizer que gosto de tudo, especialmente Death Metal, de bandas como: Death, Lost Soul, Krisiun, Hate Eternal, Hate, Kreator, mas nós sempre tentamos fazer música que transmita sentimentos.

Vicente – Em poucas palavras, o que você pensa sobre essas bandas:

Bao – eu tenho que dizer que, ultimamente, eu não sou uma pessoa que ouve muitas horas de música por dia, apenas quando dirijo, porque estou ocupada com os estudos na maioria das vezes (eu odeio isso) e no resto do tempo trabalho com o Disharmonic. Mas a verdade é que já ouvi um pouco de um monte de bandas espalhados pelo mundo. Aqui vamos nós!

Arch Enemy: Acho que Angela Gossow é fabulosa, cheia de força e energia, tão legal, ela dá o brilho à banda. Instrumentalmente não é meu estilo favorito, mas eles são músicos muito bons e a banda é grande.

Hypocrisy: Eu gosto de algumas músicas, mas não todas.

Death: Eu comecei a ouvir Death há cerca de oito anos atrás, eu gosto da banda, mas eu esqueci deles após todo esse tempo, agora com o Disharmonic, eu tornei a incluir a banda em meu mp3 e estou desfrutando novamente de todas suas mudanças de ritmos, letras e solos de guitarra.

Dark Moor: eu não ouço Dark Moor (não me bata, por favor!)

Opeth: Minha banda preferida desta lista. Eu gosto de Opeth desde os meus 15 anos, mas depois eu comecei a odiar, e dois anos atrás eu fiquei novamente ligada a eles. “Heritage” na minha opinião é um álbum muito interessante, eu gosto do som em geral e dos vocais.

Kike – O Death marcou minha vida, eu acho que ninguém compôs como Chuck S.

Vicente – Para finalizar, deixem uma mensagem para todos os brasileiros que conhecem ou gostariam de saber mais sobre o Disharmonic.

Bao – Eu não sabia que tínhamos alguns fãs no Brasil! Foi uma surpresa incrível saber disso. Muito obrigado. O Disharmonic está melhorando para todos vocês, espero que gostem do segundo CD. Não se esqueçam de nós, por favor! Eu espero que nos encontremos um dia no Brasil! Isso significa que tudo tem corrido bem. OBRIGADO BRASIL!

Kike – Obrigado pelo seu tempo, e as pessoas do Brasil por ouvir a banda, preparem-se para escutar nosso segundo e brutal CD.

Link: http://jumbofiles.com/jvdprqd41ak1/Disharmonic Example.rar.html

Contato: http://www.disharmonic.es/

http://www.facebook.com/pages/DISHARMONIC/124636630953046#!/pages/DISHARMONIC/124636630953046