Tags

, , ,

Banda

Panndora

Local

Paraná

Gênero

Heavy Metal

Ano de formação

2000

Como já havia comentado anteriormente, a partir de agora também irá aparecer aqui entrevistas realizadas com bandas de todo o país, começando pelas Paranaenses do Panndora, que já apareceram aqui em outro momento. Uma banda que faz o mais Puro Heavy Metal, com influência de Running Wild. Judas Priest, Iron entre tantas outras. Formada por Luana Bomb (guitarra), Taise Bijora (baixo), Renata Paschoa (vocal) e Adrismith (bateria), com quem conversei. Espero que curtam tanto a entrevista quanto o som do grupo, pois vale a pena…

A banda lançou Heretic’s Box, seu primeiro full lenght, em Julho de 2011. Como está sendo a divulgação e repercussão do mesmo na mídia especializada?

Adrismith – O Cd Heretic’s Box está sendo muito bem recebido pelos fãs e mídia/críticos especializados. Ficamos muito contentes com todo o trabalho, mas é claro, depois que passa tudo, você percebe alguns erros e melhoras que poderiam ter sido feitas no decorrer, mas acredito que isso acontece com todas as bandas. Com certeza nosso próximo álbum sairá mais maduro que o anterior. Várias pessoas do mundo todo, principalmente Alemanha, Suécia, França, Itália, Japão, etc, me escrevem à procura do material ou de conhecer melhor a banda. Fora no Brasil que a saída têm sido muito boa e a recepção também.

Antes de Heretic’s Box, a banda já tinha lançado uma demo e o ótimo EP auto intitulado. Vocês consideram o novo disco uma evolução natural do estilo apresentado anteriormente? Como se desenrolou a gravação do mesmo?

Adrismith – Ah com certeza, e isso é natural! Uma banda precisa sempre andar para frente, mas sem perder as raízes! Precisávamos de um full lenght e a hora veio a calhar. Acho que já estava passando da hora de gravarmos um álbum oficial e o momento foi ideal. Na época a formação da banda estava sólida, então retratou bem o momento em que estávamos vivendo.

A banda participou da seletiva no Paraná para o Wacken Open Air em 2009. Como se desenrolou essa participação, foi tudo como esperado por vocês?

Adrismith – Fomos convidadas à participar da seletiva e tiramos do próprio bolso para irmos tocar em Curitiba. Foi como esperávamos sim o resultado, pois pra mim essas seletivas sempre são “combinadas” anteriormente. Mas fazer o que neh! Tinha outras bandas que mereciam ganhar ali (não estou falando da Panndora exclusivamente) e não foi isso que aconteceu. Infelizmente esse mundo “business” tem suas controvérsias e tudo isso é muito triste, ainda mais se tratando de Metal.

A Panndora já tem mais de 10 anos de estrada, tendo tocado em diversas cidades do Brasil. Como avaliam o cenário para as bandas nacionais nesse momento? Há mais espaço para divulgação e realização de shows, ou não houve nenhuma mudança substancial nesse sentido?

Adrismith – Hoje em dia não basta ter só talento ou se sua música é boa. Tem que ter grana! Esse é o ponto crucial, além de apoiadores com grana (rs). Influência é tudo hoje em dia (acho que sempre foi) ou estar na hora e local certos. Isso terá um papel fundamental no sucesso de sua banda!

A Panndora já tem 12 anos de estrada e com certeza em relação aos shows e às condições da mesma, melhorou muito pra gente. Hoje em dia não tocamos em qualquer lugar, acredito que a banda já passou dessa fase de tocar em qualquer buraco pra divulgar. Temos um nome a zelar e garantir a qualidade de nosso som! Temos que estar atentas com quem vamos fechar os shows e as parcerias, para não cairmos em furadas!

A banda fez shows em diferentes estados e regiões do Brasil, inclusive em Rio Branco no Acre. Como foi está experiência, principalmente por ser um estado que, pela distância, não se tem muita informação sobre a cena local e espaço para shows?

Adrismith – Tocar no Acre foi uma experiência maravilhosa! O público de lá é insano e a produção foi nota 100. O governo de lá apoia os eventos de Metal, totalmente diferente aqui no sul. Querem nos levar novamente para lá, pois a repercussão do show foi muito boa e não vemos a hora de tocarmos lá novamente. A cena de lá merece grande atenção pois não perde pra nenhuma outra região do Brasil, inclusive notei que a galera lá apoia bastante as bandas do cenário underground.

Existe alguma música em especial que o público pede que toquem? Particularmente acho que My Heretic Lips e Choose your Side são perfeitas para serem executadas ao vivo.

Adrismith – O pessoal pede bastante Choose Your Side, pois é considerada a “clássica” da banda, foi a primeira composição e tudo mais. É super gratificante ir tocar e a galera cantar junto com você as músicas.


O Metal sempre foi uma cena essencialmente machista. Vocês acham que ainda continua dessa forma, ou nunca enfrentaram problemas com relação a isso?

Adrismith – Sim, o Metal sempre foi e sempre será machista, mas a diferença está na forma como você encara tudo isso e a maneira como se impõe. Obviamente o número de fãs masculinos são maiores que os femininos, mas isso não é barreira quando você lida com algo sério e tem uma proposta honesta! Já enfrentamos esse tipo de problema sim, mas nada tão grave a ponto de nos abalar.

Após algumas mudanças de formação, a banda estabilizou-se como um quarteto. Vocês preferem esse formato, ou pensam em mais adiante adicionar uma segunda guitarra na banda?

Adrismith – Nossa ideia é continuar como um quarteto. A banda ficou boa parte sendo um quarteto também, de 2003 a 2007. Está sendo legal e estamos com uma formação legal. Facilita também para nosso transporte aos shows.

Impossível nesse momento não tocar no assunto “Metal Open Air”, amplamente divulgado, inclusive no exterior. Qual a visão de vocês sobre tudo que ocorreu?

Adrismith – Acho que o MOA quis dar o passo maior que a perna. Pensaram em trazer muitas bandas grandes ao mesmo tempo e se esqueceram se tinham estrutura para isso. Foi provado que não. Acredito que se tivessem sido mais “humildes” em relação ao cast, talvez não teria acontecido isso. O Wacken na Alemanha quando começou, foi pequeno e foi crescendo. Isso que ocorreu prejudicou a todos na verdade, principalmente os shows no Brasil. Ou seja, todos nós perdemos com isso!

Quais seriam os melhores discos de todos os tempos para vocês?

Adrismith – Vários discos, mas vou citar alguns: Judas Priest – British Steel e Painkiller, Aerosmith – Rocks, Running Wild – todos, Saxon – Crusader, Iron Maiden – todos, Stormwitch – Walpurges Nightm, Manowar – Kings of Metal,…Poderia ficar o dia todo aqui falando sobre isso… rs, mas vou me limitar a esses apenas.

Uma mensagem para os fãs e amigos que curtem a Panndora e apostam no Metal Nacional.

Adrismith- Gostaria de agradecer ao fanzine e à você Vicente pela oportunidade e agradecer à todas as pessoas que têm nos apoiado!

Discografia:

-2003, Choose your side, demo

-2007, Panndora, EP

-2010, Panndora Heretic’s Box promo

-2011, Heretic’s Box, Wind of Fate Records

Agenda de Shows:

30/07/11 – Maringá-PR

19/08/11 – Londrina-PR

20/08/11 – Cascavel-PR

17/09/11 – São Paulo-SP

08/10/11 – Sorocaba-SP

15/10/11 – Altônia-PR

14/01/12- Londrina-PR

28/01/12- Campo Grande-MS

03/03/12- Rio Branco-AC

17/03/12- São Paulo-SP

24/03/12- Timbó-SC

12/05/12- Maringá-PR

20/07/12- Brasília-DF

25/08/12- Presidente Prudente-SP

08/09/12- Três Pontas-MG

Web-site:  www.panndora.net